Há mais de 20 Anos no Futuro | inpEV 20 Anos

Em 2021, o Sistema Campo Limpo completa 20 anos. Há muito o que comemorar. São duas décadas de um trabalho marcado pela inovação, a capacidade de agregar e manter engajados diferentes parceiros e o compromisso com a evolução constante.

Na definição mais direta, o Sistema Campo Limpo é o programa brasileiro de logística reversa de embalagens vazias e sobras pós-consumo de defensivos agrícolas. Apesar de correta, essa definição não é suficiente para demonstrar a magnitude e o real significado do Sistema para toda a sociedade.

Para começar, trata-se de uma iniciativa visionária a, que se antecipou à agenda de discussões setoriais e de políticas públicas.

Outro diferencial é a participação efetiva dos diferentes elos da cadeia agrícola, unidos sob o conceito da responsabilidade compartilhada.

Tendo por base a lógica da economia circular, a operação alcançou resultados destacados mundialmente, que são potencializados por seu compromisso com a evolução contínua e a eficiência dos processos. E com iniciativas coordenadas de disseminação de conhecimento, sensibilização e conscientização, o Sistema constrói dia a dia um legado de educação ambiental.

Unindo essas diferentes facetas do Sistema, estão a responsabilidade no presente e o compromisso com o futuro. Porque experiência é estar um passo à frente em sustentabilidade.

ETAPA 01 O INÍCIO DE TUDO

Na década de 1990, quase uma década antes de haver uma lei sobre o tema, diversas entidades ligadas aos fabricantes de defensivos e produtores rurais se uniram para pensar em alternativas para a destinação das embalagens pós-consumo de defensivos agrícolas. Os resultados desse esforço foram a semente do Sistema Campo Limpo e influenciaram, inclusive, o marco legal sobre o tema.

ETAPA 02 RESPONSABILIDADES COMPARTILHADAS

No Sistema, os diferentes elos da cadeia agrícola – fabricantes e registrantes de defensivos, distribuidores, agricultores e poder público – se articulam para colocar em prática o conceito de responsabilidade compartilhada estabelecidos pela lei nº 9.974/2000 e seu decreto regulamentador nº 4.074/2002. A gestão cabe ao Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (inpEV), que representa a indústria fabricante.

ETAPA 03 ECONOMIA CIRCULAR

Com o Sistema Campo Limpo, milhares de toneladas de embalagens pós-consumo deixam de ser tratadas como resíduo – um problema a ser gerenciado – e têm o potencial de virar matéria-prima para diferentes indústrias.

ETAPA 04 GESTÃO E GOVERNANÇA

As dimensões continentais da área de cobertura, a alta capilaridade da demanda (mais de 1,8 milhão de agricultores que utilizam defensivos agrícolas) e da estrutura de recebimento (mais de 400 unidades fixas e 3,9 mil Recebimentos Itinerantes ao ano) e os fatores externos (clima, sazonalidade da produção) tornam mais complexa a operação do Sistema.

Para responder a esses desafios, o inpEV investe constantemente em sistemas de informação e controle, projeções de evolução da demanda e ferramentas automatizadas de suporte à tomada de decisão que conferem eficiência e rapidez à gestão.

ETAPA 05 CULTIVAR IDEIAS

Além dos temas relacionados à operação em si, também se destaca o caráter educativo e de conscientização ambiental, que permeia todo o Sistema. As ações são desenvolvidas por diferentes elos da cadeia. Entre eles, o inpEV, que mantém um amplo leque de iniciativas e programas.

REGISTRE O SEU INTERESSE EM VISITAR O MUSEU DO SISTEMA CAMPO LIMPO

GALERIA