Voltar ao Site Principal

MARÇO ABRIL 2020

Presidente do Conselho Diretor do inpEV, Jorge Buzzetto (segundo da esq. para a dir.), recebeu premiação ao lado de outros ganhadores na mesma categoria

EM MOVIMENTO

Foi possível constatar que a abordagem sobre responsabilidade compartilhada na gestão de resíduos sólidos funciona bem no campo e na cidade

Anna Letícia Malagoli Silva

Programa de Educação Ambiental Campo Limpo chega a escolas da cidade de São Paulo

Parceria com a Secretaria Municipal de Educação levou um projeto-piloto do Programa de Educação Ambiental a escolas municipais da cidade

 

Depois de dez anos de uma bem-sucedida trajetória, o Programa de Educação Ambiental (PEA) Campo Limpo deu um passo importante ao iniciar um projeto-piloto na da cidade de São Paulo. Entre outubro e dezembro do ano passado, com o apoio da secretaria municipal de Educação e por meio das diretorias regionais de Ensino, 65 escolas municipais da cidade implementaram o PEA.

 

“A intenção foi levar a proposta pedagógica do PEA tanto para a população que vive nas pequenas cidades quanto para as grandes metrópoles. Foi possível constatar que a abordagem sobre responsabilidade compartilhada na gestão de resíduos sólidos funciona bem no campo e na cidade. Na cidade de São Paulo, foram distribuídos 319 kits educativos e 88 professores receberam formação específica para utilizar o conteúdo em quatro Diretorias Regionais de Ensino – Butantã, Campo Limpo, Capela do Socorro e Penha”, destaca Anna Leticia Malagoli Silva, coordenadora de Educação do inpEV.

 

 

 

Troféu entregue as vencedores do Prêmio Lide de Agronegócios

Anna Leticia Malagoli Silva, coordenadora de Educação do inpEV, apresenta o PEA em reunião anual da rede das escolas associadas a programa da UNESCO

O material de apoio apresentado tem grande valor pedagógico, auxiliando os docentes na abordagem da educação ambiental de forma lúdica

Eduardo Murakami da Silva

Uma das principais inovações da atual edição do PEA é o alinhamento dos conteúdos pedagógicos à Base Nacional Curricular Comum, mais conhecida pela sigla BNCC. “Para São Paulo houve o alinhamento também ao Currículo da Cidade” complementa Anna Leticia.

 

A iniciativa foi ao encontro das necessidades pedagógicas do município. As equipes da secretaria envolvidas destacaram a possibilidade de aprofundar, durante o processo de formação de professores, a reflexão sobre as dimensões política, econômica, social e cultural da educação ambiental. “O material de apoio apresentado tem grande valor pedagógico, auxiliando os docentes na abordagem da educação ambiental de forma lúdica. Incentiva ainda o protagonismo estudantil e potencializa o trabalho para o cumprimento dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), como preconizado no Currículo da Cidade de São Paulo”, afirma Eduardo Murakami da Silva, formador da Diretoria Regional de Ensino da Capela do Socorro.

 

 

 

Troféu entregue as vencedores do Prêmio Lide de Agronegócios

EDUARDO MURAKAMI DA SILVA destaca a qualidade do material pedagógico do PEA

As ações para a continuidade da parceria estão em andamento. “É muito viável que continue porque a educação ambiental permite a reflexão a cerca de uma gama gigantesca de assuntos, possibilitando que educadores e educandos se apropriem verdadeiramente da causa e se tornem agentes efetivos de transformação”, completa Eduardo.

 

Criado para apoiar instituições de ensino na complementação de conteúdos curriculares relacionados ao meio ambiente, o programa atingiu, entre 2010 e 2019, 1,6 milhão de alunos de 4º e 5º anos do Ensino Fundamental de escolas do entorno das centrais de recebimento. Os materiais dão suporte em temas alinhados à Política Nacional dos Resíduos Sólidos (PNRS) e aos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs). Desde o ano passado, os conteúdos pedagógicos estão alinhados à Base Nacional Curricular Comum, mais conhecida pela sigla BNCC, e trabalham os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) da ONU.

 

 

Economia circular é tema do PEA 2020

 

A edição deste ano do PEA Campo Limpo tem o objetivo de levar professores e alunos a refletir sobre a geração de resíduos sólidos em todo o processo, desde a fabricação dos produtos, passando pelas formas de distribuição e consumo, até o descarte final. Tudo isso será abordado por meio da apresentação do conceito de economia circular, que pressupõe a ampliação da vida útil dos produtos.

 

Depois de trabalhar vários enfoques sobre o tema da responsabilidade compartilhada em edições anteriores, este ano os kits que serão distribuídos apresentam a importância de desenvolver novos comportamentos em relação ao consumo e à geração de resíduos, seja no campo, em cidades menores ou em grandes metrópoles.

 

O kit pedagógico consiste em caderno do professor, cartaz interativo sobre as diferenças entre economia circular e economia linear, painel de alerta para sala de aula e jogo colaborativo, além do website com informações e materiais para educadores e um jogo on-line para as crianças aprenderem brincando.

 

Em 2019, participaram do PEA 2.570 escolas em 323 municípios, localizados em 23 estados. Isso significa mais de 241 mil alunos e 12,7 mil educadores impactados, entre professores e profissionais da equipe gestora das escolas.

 

VEJA TAMBÉM NESTA EDIÇÃO

João Cesar M. Rando Diretor-presidente do inpEV

Pioneirismo em economia circular

João Cesar M. Rando Diretor-presidente do inpEV

Sustentável de ponta a ponta

Esforços conjuntos pela agricultura sustentável

Dinoplast acompanha trajetória bem-sucedida do Sistema Campo Limpo

Campo Limpo S/A inaugura nova unidade em Ribeirão Preto (SP)

Um novo marco na história do Sistema Campo Limpo