Brasil atinge marca de 750 mil toneladas de embalagens vazias de defensivos destinadas corretamente

Sistema Campo Limpo faz do país uma referência mundial na logística reversa desses materiais. O volume destinado equivale a mais de 600 vezes o peso do Cristo Redentor

O Sistema Campo Limpo, gerido pelo Instituto Nacional de Processamento de Embalagens Vazias (inpEV), superou a marca de 750 mil toneladas de embalagens vazias de defensivos agrícolas destinadas de forma ambientalmente correta. O volume destinado adequadamente desde 2002, início das operações do Sistema, equivale a mais de 600 vezes o peso do Cristo Redentor. Só em 2023, houve a destinação correta de cerca de 53 mil toneladas de embalagens. 

Esse marco reforça o Sistema Campo Limpo como o programa brasileiro que é referência mundial em logística reversa de embalagens vazias e sobras pós-consumo de defensivos agrícolas. Atualmente, o Sistema destina 100% das embalagens vazias de defensivos recebidas de forma ambientalmente correta, sendo 93% recicladas e 7% incineradas. 

“O resultado é fruto, principalmente, do empenho dos elos da cadeia do Sistema, de sua capilaridade, eficiência e inovação nos processos. O programa é um case de sucesso em economia circular e se aprimora, constantemente, gerando impactos positivos para o meio ambiente e à sociedade”, destaca Marcelo Okamura

 

Economia circular na prática

Por meio de 11 recicladoras parceiras, o Sistema Campo Limpo viabiliza a produção de até 37 artefatos homologados que atendem diferentes setores da economia, além de promover a economia circular no próprio setor de embalagens. São geradas novas embalagens de defensivos agrícolas e tampas, além de produtos para a construção civil, transportes, setor energético e indústria moveleira. Esses artefatos são produzidos a partir da resina reciclada das embalagens vazias de defensivos agrícolas devolvidas pelos agricultores ao Sistema Campo Limpo.